sábado, 23 de março de 2019

Professores x Reforma da Previdência

Olá,

Março. Mês especial. Mês das mulheres, das águas que fecham o verão e do outono. 

Além disso, uma sexta feira de março, dia 22, ganhou mais um motivo: dia da paralisação nacional contra a Reforma da Previdência

Sou a favor de todas as reformas que possam fazer o Brasil progredir, mas essa, como atualmente está escrita, prejudica muito a classe dos professores do Ensino Infantil, Fundamental e Médio. 

As condições de trabalho - para professores e funcionários - e estudo - para alunos - não estão boas, e as leis voltadas para a Educação são antigas para o público atual que tem outras necessidades, além de giz e quadro. 

Foi aprovada uma LDB 9.394/1996 Atualizada em que não há exigência do número mínimo de alunos por sala, mas não é isso que tem acontecido na realidade. Onde trabalho, as salas têm mantido uma média entre 30 a 35 alunos, mas há casos de turmas com 40 ou mais alunos. 

Quando é identificado algum aluno que ainda não foi totalmente alfabetizado, não há uma alternativa escolar - profissional qualificado, material didático e infraestrutura - para melhor trabalhar essa deficiência dele. Coincidentemente, as famílias desses alunos são as mais desestruturadas, então a escola acaba sendo o único recurso. 

Para ter mais conforto, eu investi num amplificador de voz (preferi comprar do que ganhar quando tivesse "calo" nas cordas vocais... nunca tive, graças a Deus!) e alguns pincéis coloridos (roxo, laranja e verde)... ajudam nas aulas de Ciências. Um colega da área de Línguas tem um aparelho de som para o estudo de músicas e outro - da área de História/Geografia - tem um aparelho projetor para assistir filmes e documentários... ainda vou chegar nesse nível "luxo" de conforto. Mas isso é realidade de uma minoria. 

Os alunos sempre me comentam que algumas pessoas são burras... e eu sempre dou o exemplo de Einstein: começou a falar com 4 anos e foi alfabetizado aos 9-10 anos de idade. Ele não era burro, porque não existem burros. Alguns só têm um pouco mais de dificuldade. Tipo: Eu e a Física. 😭

De uns tempos para cá eu não tenho participado de greves, mas é algo pessoal. Eu sinto que sou usada como instrumento de manobra política da esquerda, e eu não gosto disso. Não sou instrumento nem da esquerda e nem da direita. Essa rixa entre os dois até incomoda. 

Assistindo a um programa da GloboNews, a entrevistada estava chocada com a constante oscilação da Bolsa de Valores diante dessas reviravoltas políticas e realçando a importância dela, mesmo para aqueles que não gostam. E alegava que, talvez (sabe aquele "talvez" fraquinho... esse!), um poder moderador ajudasse. 

Essa bagunça me deixa desanimada.... 

Tchau,

Carla

Nenhum comentário:

Postar um comentário