quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Pesquisas científicas e o seu fiofó

Olá,

Às vezes, nós criticamos determinada situação, pois não temos conhecimento amplo sobre um assunto. Pode ser que falte um outro ponto de vista.

As Universidades parecem que fazem pesquisas "sem sentido", mas não devemos julgar assim.

É meio estranho escrever sobre isso. Pois envolve coisas delicadas de se tratar. 

Então, vou dar exemplos:

a) Uma moça veio me contar que estava com problemas de hemorróidas. E que iria fazer uma cirurgia. Ela me contou isso, porque sabia que eu gosto de plantas, principalmente plantas medicinais. Avisei que ela poderia usar babosa (Aloe vera) para aliviar o local. A hemorróida pode ser provocada por um problema circulatório. Mas depois fiquei imaginando se ela fazia muito sexo anal. Esse pode ser problema. 

b) Um colega universitário foi parar no hospital com muitas dores no ombro. Mas os amigos dele avisaram que ele se masturbou tanto que deu dores no ombro. Não era problema cervical, era de ombro, braço e mão.

c) Eu sei que é indelicado falar de gente que faleceu, mas um ator brasileiro que estava casado com uma moça mais jovem faleceu de infarto. Fiquei imaginando se ele usava Viagra. Tem homens que melhoram a vida sexual e empolgam praticando outras atividades que podem não ser compatíveis com a saúde dele.

d) Atualmente, existe o uso da preservativo masculino e feminino para proteger de contágio de doenças e evitar uma possível gravidez. Para fazer um preservativo masculino, por exemplo, eles tiveram de fazer uma média da medida do tamanho de vários pênis, de várias raças e sem distinção de classe econômica para chegar um tamanho médio que encaixaria em vários. Hoje tem preservativos coloridos, com sabor, que dão sensação de quente ou frio... foram muitas pesquisas.

e) Eu não gosto de usar calcinhas "enfiadas", sabe como é. Incomoda. Mas tenho amigas que se não for daquelas calcinhas bem microscópicas, elas não compram. Não sei se existe prazer no uso da calcinha se esfregando lá (na parte traseira), mas faz muito sucesso. 

Eu vejo esses bumbuns e morro de inveja. A celulite não larga do meu pé, ops, da minha bunda.

Qual é o motivo desse texto estranho?

É que um trabalho publicado em um Congresso de Sexualidade na USP com o tema "Prazer, Quem é você?" gerou muita polêmica. A reportagem de Revista Encontro talvez ajude a entender.

Eu fiquei sabendo da pesquisa por causa da polêmica que a crítica feita por Carlos Bolsonaro, um dos filhos de Jair Bolsonaro, fez no twitter repercutiu muito na internet:



O tema era: "Prazer, quem é você?", e eu achei o trabalho muito dentro do tema. Quem sabe no futuro eles inventam um preservativo que facilite o sexo anal?

Ou será que uma pessoa que aceita receber muito sexo anal mesmo sem sentir nenhum prazer, pode estar com algum problema psicológico? 

A Ciência permite a formulação de várias hipóteses. E ela é muito ampla. 

Como vocês acham que uma empresa produtora de desodorantes, como a Rexona, faz nas pesquisas para garantir que você não irá "cheirar mal durante 48 horas"? 


Sabe o que mais me deixou incomodada: foram as críticas em relação do uso do acento na palavra CU/CÚ! 

Depois eu conto o que faço para me acalmar quando fico irritada.

Tchau,

Carla

Nenhum comentário:

Postar um comentário