quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Quando a tristeza parece ter fim...

Olá,

Os profissionais combinam de não ficar falando muito dessas coisas. Às vezes, acontecem. Não se fala muito para não parece incentivo para os que são sensíveis. 

Eu já passei por isso. E eu também já pensei muito nisso. Várias vezes. 

Mas existem diversas causas para se pensar nisso. E para diversas causas, existem diversos tratamentos.

Pode ser problema de nutrição, uma dor física, bullying na escola e/ou trabalho, perda de um parente querido, um amor não correspondido, dificuldade de auto aceitação, dificuldade para lidar com os pais, a Baleia Azul (tive de passar um vídeo sobre a Baleia Azul para meus alunos e ficou na minha cabeça), "você é um superdotado?", insônia (já pensou em parar de usar açúcar?) ... são inúmeros motivos. 

Eu tinha muito medo de psiquiatra. Tinha medo de me receitarem algum medicamento e de repente ficar viciada e começar a babar como bebê. Mas a medicina mudou muito e os tratamentos não são assim mais. Homeopatia, psicoterapia, yoga, aprender um a tocar um instrumento musical, dançar, viajar, ser blogueiro/vlogueiro/youtuber ... tudo isso auxilia a mudar o foco. Assim, não vai precisar ficar se mutilando. 

Às vezes, conversar com alguém ajuda. Mas se for alguém que sabe escutar. Tem gente que não sabe escutar. É melhor não mexer com este tipo de gente. Pode te provocar mais confusão ainda. 

E não desista dos seus sonhos. Pode ser difícil em uma época, mas a vida sempre dá voltas. Quem sabe amanhã ele será mais viável?

Oh Christian! Você estava ficando bonito. Vai deixar muita saudades. A escola ficou triste e o tempo nublado só aumentou essa sensação. Muitas orações e respeito.

Esses sites podem ajudar:

Seja solidário!




4) A sua religião.

Tchau e uma semana muito iluminada,

Carla

Nenhum comentário:

Postar um comentário