quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Brasil é o pior país da América do Sul para ser menina

Olá,

Esse é um texto legal que li sobre a realidade brasileira para meninas. Boa infância vai gerar bons adultos e boas mães. Mas a má infância...

Desejo boas reflexões e que todas as meninas e meninos do mundo tenham bom tratamento.

Tchau,

Carla

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Texto original do site: Uai

Brasil é o pior país da América do Sul para ser menina

O Brasil é o pior país da América do Sul para ser menina, de acordo com relatório divulgado ontem pela ONG Save the Children, dos Estados Unidos. Entre 144 países avaliados, o Brasil aparece na 102ª posição, à frente apenas de Guatemala e Honduras, no continente americano. Os indicadores avaliados são o casamento infantil, gravidez na adolescência, mortalidade materna, representatividade de mulheres no parlamento e conclusão do ensino médio.

No dia internacional da menina, celebrado em 11 de outubro, estatísticas negativas descortinam as dificuldades enfrentadas por elas ao longo do processo de desenvolvimento. A gravidez na adolescência e o casamento infantil são os indicadores que mais preocupam. De acordo com o relatório, a cada sete segundos, uma garota com menos de 15 anos se casa, na maioria das vezes, forçada. E a cada 12 meses, 70 mil adolescentes morrem por complicações na gravidez ou no parto.

O Brasil é o 4º país com o maior número de meninas, com até 15 anos, casadas.

Resultado de imagem para casamento infância
Casamento infantil também é realidade brasileira. Noivos em Rajastão, Índia. Por que nos achamos tão diferente do outro?
O Brasil está atrás de países com histórico de abusos contra mulheres como Irã, Sudão, Iraque, Índia e Síria.


Segundo a especialista, o problema é mais profundo do que parece e é resultado das desigualdades que assolam o país. “Está relacionado à desigualdade social, econômica e racial. Existe uma relação entre casamento infantil e rota de turismo sexual, ambos presentes no Norte e Nordeste, e correspondem à baixa escolaridade, baixo acesso à informação e exercício da sexualidade sem autonomia. Milhares de meninas de 12 a 14 anos são casadas com homens mais velhos, como uma forma de sustento da família. Gravidez na adolescência é agravo de violência sexual, assim como casamento infantil”, diz.