segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Vendo o lado bom da vida

Olá,

Eu nunca li tanto sobre deficiência e paralimpíadas (prefiro paraolimpíadas, não me acostumo fácil a mudanças).

Um dia estava andando na rua e quase fui atropelada.

O carro passou tão veloz, não iria sobrar nenhum pedaço da Carla.

Descobri que o motorista era um cadeirante apaixonado por velocidade máxima. Ele é cadeirante por causa da velocidade máxima.



No momento, eu fiquei com raiva. Pensei em brigar com ele, mas depois pensei melhor e "quem sabe estou diante de um campeão paraolímpico?".

Às vezes, ele só não sabe usar a energia dele no local e hora certa.

Nestas paraolimpíadas Rio 2016 não dá, mas quem sabe para a próxima?

Se vocês souberem de algo voltado para este público, me informem através do contato!

Tchau,

Carla

Nenhum comentário:

Postar um comentário