quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Carnaval Rio 2016

Olá,

Sempre tive vontade de ir ao Sambódromo no Rio de Janeiro.


Sambódromo.

Acho a festa de carnaval do Rio muito bonita: várias fantasias e músicas. Muito alegre.

Decidi ir com um grupo de amigos ao ensaio técnico no domingo (24/01): Viradouro, Unidos da Tijuca e Salgueiro.

Uma das moças que estava conosco é dançarina (bailarina) e vende fantasias para o carnaval.


Em Belo Horizonte existe uma campanha do bem: em eventos deste porte e gratuito há troca de ingressos por alimentos ou água para doação e auxílio ao próximo.

Achei que fosse algo a nível nacional, mas descobri no Sambódromo que não é assim.

Eventos 100% gratuitos no Rio são sem escambo: só entrar e esperar o ensaio.

Os portões foram fechados antes da 20:30, como disse a reportagem UOL.

Foi aí que fecharam os portões na nossa cara. Hã?

“Por que isso?”

A história do samba remete a casa de Tia Ciata, uma cozinheira e mãe de santo, que reunia em sua casa os primeiros sambistas do Rio de Janeiro. Foi uma das principais animadoras da cultura afro nas favelas.

O problema não era eu, uma mera turista ser impedida de ir para aquela festa. O problema é que muitos fãs e apaixonados pelas escolas de samba serem impedidos de participar.

Eu não vi vândalos agressivos ou sanguinários. Eu vi famílias com crianças indo assistir a um “quase espetáculo”.

Eu fiquei horrorizada com tamanho destrato.

O desfile oficial é muito caro e concorrido para muitas pessoas, então muitas preferem ver o ensaio, pois é gratuito. Mas os portões estavam fechados!

“Oh guarda! Mas tem lugar ali! Eu estou vendo! Está vazio!”

“A ordem foi fechar os portões. Sinto muito. Volte semana que vem.”

O povo foi se amontoando... vaiando... gritando... empurrando devagar... mais força... mais força... tem criança... mais força... vamos conseguir... e conseguiram. Achei que fossem pisotear os guardas. Fiquei preocupada, pois tinha até bebê no povo.






Perdemos metade do desfile da Viradouro.

Na hora pensei “Vai virar uma bagunça, não vou conseguir ver nada. E o povo revoltado vai invadir a avenida.”

Que nada! Só impressão! Eles só queriam ver a festa e dançar.

Eles só queriam cantar e dançar.

Mas pararam o desfile da Viradouro. Os comentários: “não vai expulsar pobre mais não!” “Esse prefeito não é ninguém.” “Samba sem seu povo não tem vida.” “É tudo culpa dessa Liga!”

“Agora eles invadem a avenida!”. Enganei novamente. Esperaram até o samba voltar. Demoraram mais de uma hora.




Depois veio a Unidos da Tijuca. E, por último, ficamos encantados com o carinho da Salgueiro.








Eu curtir a noite, mas até agora estou boquiaberta com tamanha grosseria contra os fãs do samba.



Desfile da Salgueiro e ainda tinha muito espaço.

Olha as condições da escada!
Mais uma coisa: ao redor do sambódromo fede. Evento glamouroso é só para celebridades. Eu prefiro as bandas tradicionais com máscara e carnaval na rua: "Cidade maravilhosa..."

Tchau,

Carla

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eu não vi pombo nenhum por lá. Eu só vi um drone. 

Será que o povo pisoteou os pombos?