quinta-feira, 25 de junho de 2015

Óleo mineral/parafina

Olá,

A palavra QUÍMICA assusta muito. E todo que está relacionado à QUÍMICA assusta mais ainda: fogo, explosão, bombas...


As pessoas ficam tão assustadas que criam “neuras” sobre determinados temas.

Às vezes, eu escuto que uma pessoa não usa determinado produto, pois tem “muita química”. E aquele pavor se espalha como se fosse uma histeria.

Neura!
Ultimamente tenho lido uma histeria com relação ao óleo mineral/parafina.

O óleo mineral é um óleo transparente, incolor e quimicamente quase inerte. É um derivado do petróleo.
Parafina.
Para o óleo mineral produzir algum efeito tóxico no corpo humano, ele deve ser ingerido / inalados/tocado todos os dias em quantidades enormes. Leia mais.

A quantidade utilizada em cosméticos que você usa não vai te deixar podre da noite para o dia.
Óleo mineral.
Hoje no mercado temos várias opções de produtos cosméticos: com parafina ou sem parafina.

Dependendo do uso cosméticos (hidratantes para ressecamento de pele), o óleo mineral combinado com óleos vegetais (rico em vitaminas), terá uma função auxiliar na hidratação. Este óleo mineral formará uma película protetora, evitando mais perda de água da pele, enquanto o óleo vegetal penetra e hidrata.

Hidratar inclui loções hidratantes e beber água.
Existem campanhas para diminuição do consumo de parafina, pois significa diminuição do consumo e dependência do petróleo, considerado por ambientalistas um dos vilões da intensificação do aquecimento global.

Intensificação do aquecimento global.
Existe alternativas a parafina derivada do petróleo, mas é mais caro. É chamada de parafina ecológica ou cera de soja. Tem sido usada em velas ecológicas, pois o odor é mais agradável e não libera fuligem durante a queima.


Não gosto da ideia de condenar o uso de algo, se não posso apresentar alternativas baratas. Cada um faz as mudanças de acordo com o tamanho de seu bolso. 

Quanto a QUÍMICA: eu tenho muito medo de ácido sulfúrico!

Tchau,

Carla