quinta-feira, 25 de junho de 2015

Óleo mineral/parafina

Olá,

A palavra QUÍMICA assusta muito. E todo que está relacionado à QUÍMICA assusta mais ainda: fogo, explosão, bombas...


As pessoas ficam tão assustadas que criam “neuras” sobre determinados temas.

Às vezes, eu escuto que uma pessoa não usa determinado produto, pois tem “muita química”. E aquele pavor se espalha como se fosse uma histeria.

Neura!
Ultimamente tenho lido uma histeria com relação ao óleo mineral/parafina.

O óleo mineral é um óleo transparente, incolor e quimicamente quase inerte. É um derivado do petróleo.
Parafina.
Para o óleo mineral produzir algum efeito tóxico no corpo humano, ele deve ser ingerido / inalados/tocado todos os dias em quantidades enormes. Leia mais.

A quantidade utilizada em cosméticos que você usa não vai te deixar podre da noite para o dia.
Óleo mineral.
Hoje no mercado temos várias opções de produtos cosméticos: com parafina ou sem parafina.

Dependendo do uso cosméticos (hidratantes para ressecamento de pele), o óleo mineral combinado com óleos vegetais (rico em vitaminas), terá uma função auxiliar na hidratação. Este óleo mineral formará uma película protetora, evitando mais perda de água da pele, enquanto o óleo vegetal penetra e hidrata.

Hidratar inclui loções hidratantes e beber água.
Existem campanhas para diminuição do consumo de parafina, pois significa diminuição do consumo e dependência do petróleo, considerado por ambientalistas um dos vilões da intensificação do aquecimento global.

Intensificação do aquecimento global.
Existe alternativas a parafina derivada do petróleo, mas é mais caro. É chamada de parafina ecológica ou cera de soja. Tem sido usada em velas ecológicas, pois o odor é mais agradável e não libera fuligem durante a queima.


Não gosto da ideia de condenar o uso de algo, se não posso apresentar alternativas baratas. Cada um faz as mudanças de acordo com o tamanho de seu bolso. 

Quanto a QUÍMICA: eu tenho muito medo de ácido sulfúrico!

Tchau,

Carla

sábado, 6 de junho de 2015

Nhoque de banana da terra com molho

Olá,

Estes dias estou adorando assistir televisão. Se você selecionar, tem bons programas.A alimentação e atividades físicas fazem parte do investimento profissional delas. Decidi procurar na internet um pouco sobre alimentação saudável.

Atividades físicas são saudáveis para nosso corpo.
Não obtive muito sucesso (que nutricionista vai contar seus segredos por aí?). Mais uma dica deles é: evite ao máximo alimentos processados!

Alimentos processados são aqueles produzidos pelo homem de forma artificial: biscoitos recheados, balas, achocolatados, etc.

A correria dos dia a dia faz as pessoas optarem por estes alimentos, por serem rápidos!



Por conterem alto teor de sal, açúcar, gordura e conservantes, eles “incham” o corpo. Todo mundo tem que diminuir o consumo desses alimentos, principalmente as pessoas que tem tendência a engordar.




Mas não gosto da ideia de proibir.

Assisti ao programa Cozinha Prática da Rita Lobo e ela traz uma receita legal que tentei adaptar: nhoque de banana da terra com couve.

Como eu achei que ela fez muita coisa com a banana (assou, cozinhou e fritou), resolvi modificar e fiz nhoque de banana da terra com mandioquinha ao molho de tomate e soja. Não gosto muito de couve, talvez taioba fique melhor.

Ficou assim:


Nhoque de banana da terra e mandioquinha. Sem leite e glúten.

Alimentos foram cozidos.
A soja eu misturei: uma porção normal e outra porção sabor bacon que comprei na Estação dos Grãos. Eu sei que a soja é processada, mas não fica aquele excesso de alimentos processados! Escolhi por a soja sabor bacon para não me perder da receita original.

A Bela Gil faz receitas naturais também. Aliás, esta semana foi a primeira vez que assisti ao programa dela. Gostei. Só não fiz a receita, pois nunca tive sorte ao comprar cará.


Nunca tive sorte ao comprar cará.
Tem gente que é mais radical: se alimentam de alimentos crus. Mas para isto é bom você ter bons equipamentos como processadores e liquidificadores de alta potência (cuidado com a voltagem e a capacidade de energia da sua casa). 

De qualquer forma, a alimentação saudável ajuda a ter pele e intestino melhores. 


Tchau,

Carla

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Salgadinho orgânico - Mãe Terra

Olá,

Fui a uma loja e me lembrei da minha infância, quando minha família me levou ao cinema para assistir aos Trapalhões. Velhinha...

Uma pirueta, duas piruetas...
Na maioria das vezes, o meu cinema era a sessão da tarde da Globo.


Hoje tem tanta variedade de coisas para crianças e adolescentes! Mas algumas coisas não mudam!

A bibliotecária de onde eu trabalhava me contou que o livro mais cobiçado da biblioteca era “Diário de um banana”. São mais de 20 alunos na lista de espera.

Diário de um banana.
Nunca li o livro, mas assisti a uma parte do filme, achei que tivesse atores famosos, mas não. Era um filme com linguagem simples, mas humorado.

Meu irmão caçula também gostava de cinema e lembro de uma vez que ele queria muito assistir ao filme da Xuxa. Ele devia ter uns sete anos, ele gostou tanto do filme.

Não precisa de muito sofisticação para conquistá-los.


A bola deve ser o brinquedo mais pedido do mundo.
Quando eu vou ao cinema sempre gosto de comer pipoca ou salgadinho de milho. Hoje esses salgadinhos são polêmicos devido ao alto teor de sal, gordura, açúcar e corantes artificiais em seus ingredientes. Famílias sempre proíbem comer essas coisas. O ideal não é proibir, é dar uma alternativa. 

Pipoca é muito bom.
Vi em uma loja os salgadinhos orgânicos da Mãe Terra. A empresa garante que os produtos são integrais, sem corantes artificiais e fontes de fibras, proteínas e vitamina B9.

Os salgadinhos são feitos a base de milho e arroz orgânicos e sabor não é tão salgado como os outros. O produto contém glúten por passar em máquinas que processa glúten. Tem 3 sabores:



Pitza


Sabuguinho.


Ceboloko.
O preço é mais caro, mas os sabores são suaves e a qualidade é melhor. É uma boa alternativa. 


Devemos colocar a embalagem no lixo!

Tchau,

Carla