sexta-feira, 29 de maio de 2015

Empreendedorismo

Olá,

Estava assistindo ao jornal na televisão ontem e vi uma reportagem falando sobre a queda do PIB nacional. Isso significa: aumento de inflação, pessoas perdendo emprego  e comprando menos, etc. 

Lembrei da minha tia (não é a da fritadeira elétrica), pois ela passou algo parecido por um período.

Economia brasileira

Minha tia trabalhava em uma grande empresa na região metropolitana de Belo Horizonte.

Mas um dia ela foi despedida! A empresa foi comprada por outra empresa norte americana que tinha sede em Itu/SP, mas ela não podia mudar para lá por causa da vida pessoal. Então, ela perdeu o emprego.


Ela decidiu mudar a vida dela da posição de: (des) empregada para (micro) empresária.



Assisto aos programas de empreendedorismo e sempre mostra uma pessoa que formaliza os negócios e vende produtos sem sair de casa.




Sempre achava estranho algumas lojas virtuais revenderem produtos comprados nos EUA ou na China, ao invés de vender algo produzido no Brasil. Algumas coisas realmente você não vê no mercado nacional, mas outros produtos são fáceis de encontrar aqui.


Mas vendo as dificuldades de minha tia, eu percebi como é difícil e como muitos preferem ser informais, pois a formalidade é impossível ou caro demais.

As coisas não são tão fáceis como é mostrado na televisão. Você esbarra nas legislações que dificultam muito.
Formalizando-se, o empresário terá o CNPJ, que viabiliza parcerias com outras empresas, proporcionando o crescimento da empresa.
Por exemplo, para se quer ter uma loja virtual você tem que pesquisar a legislação municipal e saber se ela obriga você a ter um estabelecimento específico para o funcionamento dela. Ou seja, nem tudo dá para fazer na residência do empreendedor como é mostrado nos programas de televisão.


Tem um projeto de lei em tramitação que a pessoa poderá usar o endereço residencial como endereço da loja virtual para o microempreendedor, mas este projeto "está quase virando lei" há 4 anos.
Minha tia ficou fascinada com a venda de cosméticos.
Minha tia, mesmo sendo muito habilidosa na área de negócios, não conseguiu sucesso naquele momento. Mas ela não desistiu, tem planos para o futuro.

Quem sabe dessa vez ela acerta?!


Tchau,

Carla